fbpx

8 mitos sobre recuperação de dados

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Em nosso trabalho, frequentemente encontramos equívocos generalizados sobre perda de dados. A maioria desses mitos se origina de mal-entendidos sobre como os HD’sSSD’s, matrizes RAID e outros dispositivos funcionam. Em sua maioria, estes mitos são inofensivos, mas nosso objetivo é ajudar a difundir o conhecimento sobre as possibilidades e limites da recuperação de dados. 

MITO 1 – UM SSD É MUITO MAIS CONFIÁVEL DO QUE UM HD

As unidades de estado sólido não têm peças móveis e são menos propensas a danos físicos diretos. Eles são indiscutivelmente mais confiáveis fisicamente. Mas a recuperação de dados depende de vários fatores, incluindo como você armazena seus dados, o percentual ocupado do disco e o método de coleta e eliminação de arquivos deletados do SSD.

No entanto, os SSDs são muito mais suscetíveis a danos por calor. O SSD médio pode armazenar dados sem energia em uma prateleira por dois anos a 20 ℃. Se você aumentar 5 ℃, é apenas 1 ano. Se você for a 30 ℃, você só terá 6 meses de dados retidos na unidade. Então, evite lugares quentes ou sob exposição solar direta e armazene seus SSDs em um local fresco. 

Outra coisas que poucos sabem é que seus dados podem literalmente evaporar da unidade se você não ligá-la de vez em quando. Mas a cada trimestre, pelo menos duas vezes por ano, conecte-o ao seu computador. Coloque-o conectado, ligado e disponível. Você nem mesmo precisa fazer nada no SSD. 

Há muitas rotinas de auto-manutenção que os SSDs precisam fazer internamente para manter os dados, atualizar todos os bits, coleta de lixo, correção de erros, enfim há muito processamento. E se você não permitir que eles sejam conectados por algumas horas a cada 6 meses, eles não podem fazer nada disso. É muito importante para a integridade dos seus dados. ”

As unidades de estado sólido costumam ser mais suscetíveis à corrupção de dados do que as unidades de disco rígido. E se você deletou os dados do seu SSD, provavelmente eles foram perdidos para sempre se o comando TRIM estiver ativado. Conclusão: se você tiver dados importantes, certifique-se de fazer um backup em pelo menos três dispositivos físicos distintos. 

MITO 2 – VOCÊ PODE RECUPERAR DADOS DE UM HD COLOCANDO-O NO FREEZER

Este é um dos mitos de recuperação de dados mais comum. Muitas falhas de disco rígido são causadas por cabeçotes de leitura / gravação presos ao disco. Ao congelar um HD, você pode descolar as cabeças e, em seguida, copiar rapidamente os dados antes que o disco rígido volte à temperatura ambiente.

Nos primeiros dias da computação, esse não era um conceito tão estranho. No final da década de 1990, muitos laboratórios de recuperação de dados tinham freezers especializados para resfriar HDs. A tecnologia da cabeça de leitura / gravação progrediu nos modernos discos rígidos. Hoje em dia, o congelamento de um disco rígido quase certamente causará problemas sérios adicionais que afetam negativamente o resultado da recuperação.

Ao colocar suas unidades em freezers, eles expõem seus dispositivos à umidade, o pode causar problemas quando a temperatura da unidade cai abaixo de zero, como oxidação nos contatos da placa lógica. Se você tem um HD que mostra sinais de danos físicos, não o ligue e nunca o coloque no freezer (ou forno, ou micro-ondas). Leve-o para uma empresa de recuperação de dados.

MITO 3 – QUANDO OS DADOS SÃO DELETADOS, ELES DESAPARECEM PARA SEMPRE

A precisão desta declaração depende do sistema operacional, sistema de arquivos e tipo de mídia, mas, de modo geral, os arquivos excluídos são recuperáveis desde que não tenham sido sobrescritos. Quando você exclui um arquivo de um HD, a unidade simplesmente marca o espaço como disponível. 

Quando a unidade precisar gravar mais dados, ela sobrescreverá o espaço “disponível”, eliminando permanentemente o arquivo excluído. Portanto, se você acidentalmente excluiu um arquivo importante, sua melhor aposta é desconectar o computador imediatamente e levar o disco rígido a uma empresa de recuperação de dados.

Softwares de recuperação de dados também pode ser eficazes, mas certifique-se de saber o que está fazendo. Recebemos regularmente casos em que os clientes sobrescrevem acidentalmente os dados ao tentar executar um software de recuperação de dados.

Quando os arquivos são excluídos em SSDs, eles geralmente desaparecem, mas, novamente, existem outros fatores que podem permitir um prognóstico de recuperação de dados mais positivo. Se você excluir arquivos de um SSD, desligue-o imediatamene e procure uma empresa de recuperação de dados.

MITO 4 – POSSO USAR UM PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE DADOS E RECUPERAR MEUS ARQUIVOS

Embora o software de recuperação de dados seja muito bom para localizar e restaurar arquivos excluídos ou corrompidos devido a erro do usuário ou falha de hardware e software, se seu disco rígido estiver fisicamente danificado, você ainda pode precisar levá-lo a um especialista em recuperação de dados.

Se você executar um software de recuperação de dados em um dispositivo fisicamente danificado, você vai causar danos que poderiam impedir uma recuperação futura. Algumas falhas do HD não apresentam sintomas óbvios. Alguns clientes executam estes softwares em seus discos após receberem erros de “arquivo corrompido”. Isso pode ou não ser o caso, e se o usuário estiver errado, o software pode causar muitos danos.

MITO 5 – EMPRESAS DE RECUPERAÇÃO DE DADOS CONSERTAM HD’S

Em certo sentido, os técnicos de recuperação de dados podem fazer que os HDs funcionem temporariamente para a recuperação dos dados. Substituímos os componentes danificados e colocamos a unidade em estado parcialmente funcional.

A palavra-chave aqui é “parcialmente”. Uma falha de hardware afeta muito a funcionalidade de uma unidade, então a unidade raramente \”apenas funciona\” e é por isso que não podemos devolver o HD de um cliente em um estado perfeitamente funcional (em vez disso, copiamos seus dados em outro HD).

MITO 6 – UM RAID É TÃO EFICAZ QUANTO UMA BOA POLÍTICA DE BACKUP

RAID (Redundant Array of Independent Disks) permite que vários discos funcionem em conjunto, permitindo velocidades de acesso a dados mais rápidas e maior proteção contra perda de arquivos. A maioria dos servidores usa alguma forma de RAID para garantir que uma única falha de disco rígido não afete a integridade dos dados.

No entanto, há um grande ditado entre os profissionais de TI, RAID não é backup! Os arrays falham regularmente e, quando ocorrem, os resultados podem ser catastróficos. Faça um backup do RAID e tenha um backup de emergência de tudo fora do local ou na nuvem.

MITO 7 – POSSO GUARDAR MEU HD E ESQUECÊ-LO ATÉ PRECISAR DOS DADOS GRAVADOS

Se você usar um disco rígido tradicional, não fará grande diferença se você ligá-lo a cada três meses ou dois anos. Seus dados estão seguros de qualquer maneira. Certifique-se de guardar o seu HD em um local onde ele fique imóvel e não tenha chances de sofrer nenhum tipo de impacto. 

Por exemplo, guardar o disco rígido na gaveta da sua mesa é uma péssima ideia. A cada vez que você fechar ou abrir a gaveta, o HD poderá sofrer um choque e danificá-lo.

MITO 8 – SE EU TIVER UM BACKUP, MEUS DADOS ESTARÃO SEGUROS

Para você dormir sossegado, um único backup pode não ser suficiente. O que você precisa é de uma estratégia 1-2-3. Primeiro, você tem os arquivos dentro do seu computador ou em uma unidade de backup. Em segundo lugar, você cria uma cópia de backup em outra unidade. Terceiro, faça um backup em local diferente de onde estão os dois primeiros backup.

Normalmente, o terceiro backup é externo. Tenha uma cópia dos dados do serviço em sua casa (ou vice-versa) ou assine um serviço na de backup na nuvem. O 1-2-3 é uma boa regra básica para a maioria das pessoas. No entanto, quanto mais críticos ou valiosos forem seus dados, mais cópias você deve ter.

Rolar para cima